Acessibilidade:

QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

Professora Me. Leila Pryjma
Grupo Rhema Educação

 

Muitos querem sucesso e reconhecimento, mas… estão dispostos a pagar o preço?

 

As pessoas reclamam muito, mas se acovardam na hora de tomar providências. Querem que tudo mude, mas elas mesmas se recusam a mudar.
            Por inúmeras vezes, encontro , converso, debato ideias com pessoas que vivem reclamando do mundo, do trabalho, de seus salários, mas continuam fazendo tudo exatamente do mesmo jeito. São pessoas amargas, que não cresceram profissionalmente, que culpam os outros pelo seu fracasso e, ainda por cima, se acham vítimas.
            Desenvolver-se profissionalmente  requer muito mais do que portar um diploma de ensino superior. Para visualizar melhor vamos pensar num professor licenciado em Pedagogia. Esse profissional certamente deverá saber trabalhar com computador, o que exige que ele faça um curso rápido e útil. Esse mesmo profissional deverá saber lidar com crianças com Transtornos Globais do Desenvolvimento, como desenvolver uma comunicação com eficiência, como compreender as diferentes personalidades, como ser líder e tantos outros como que a profissão exige. Acontece que muitos profissionais já morreram, só não foram enterrados, estão andando nas mais diversas empresas por aí, acomodados.
            É preciso ter em mente que precisamos nos “completar” da melhor forma possível e que quem melhor se qualificar profissionalmente terá mais chance de sobreviver no mercado competitivo, exigente e cruel da contemporaneidade.
            Certa vez, ministrei uma palestra de formação de docentes a mais de 1500 professores, ao terminar, uma jovem veio cumprimentar-me e disse-me: “Sabe, eu daria minha vida para ter o seu conhecimento.”, com toda a calma e carinho do mundo, eu respondi: “Pois é, eu dei…”. Fico chocada quando alguém acha que o concorrente é sortudo. O concorrente não se trata de alguém sortudo, mas de alguém preparado. Estudar dói, qualificar-se requer sonhos, vontade, desprendimento, trocas (muitas vezes pesadas). É preciso buscar algo a mais, deixar de comprar aquele sapato caro e ir a um congresso, estudar aos sábados, ler, ler muito, muito mesmo. Dormir menos, festar menos, assistir a TV raramente, deixar os aplicativos sedutores do celular e as redes sociais vazias e infinitas. Acredite, seu salário melhorará, sua propriedade intelectual será outra, seu respeito no local de trabalho e na vida pessoal será diferenciado.
            Caminhe nesta rota e, de repente, você se verá rejeitando propostas de trabalho, exonerando concursos que antes eram desejados, para assumir outros melhores ainda.
            Quer sucesso? Mexa-se.
Quer ganhar mais? Seja mais.
Quer respeito? Tenha propriedade intelectual.
Quer amigos? Seja líder do seu “eu”.
Quer cargos? Tenha um bom relacionamento interpessoal.
Quer crescer? Saiba exatamente o que deve fazer.
Quer ser feliz? Realize-se profissionalmente.
Como? Através de sua qualificação profissional, independentemente de qual seja a sua profissão.

Continue lendo

Como trabalhar a rotina para aluno com autismo?

O dia a dia em sala de aula pede a criação de estratégias que estimulem o aluno com autismo por […]

Como trabalhar com dificuldades de leitura/escrita/ortografia?

O desenvolvimento acadêmico de um aluno perpassa por algumas etapas que são determinantes para a sua consolidação. Para isso, existem […]

AUTORREGULAÇÃO NO TRANSTORNO DO ESPECTRO ATUTISTA

Você sabe o que é AUTORREGULAÇÃO? A autorregulação é um processo básico relacionado aos desfechos adaptativos ao longo do desenvolvimento, […]