Acessibilidade:

Atividades Sensoriais: Diversão para o corpo, alimento para a mente!

Olá professor!
Sabemos como é importante o desenvolvimento motor para nossos pequenos, não é mesmo?
Mas, você sabe da importância do desenvolvimento e estimulo através dos cinco sentidos?
Hoje, queremos compartilhar com você está matéria importantíssima, pois brincadeiras sensoriais estimulam a inteligência e a criatividade das crianças através dos cinco sentidos.
Crianças (e adultos) aprendem melhor quando as informações são processadas por mais de um dos sentidos ao mesmo tempo.
Prova disso é que as lembranças favoritas de infância frequentemente estão associadas a um aroma, som ou sabor…. Quando sentimos um cheiro ou ouvimos uma música familiar, é como se aquela sensação nos transportasse de volta ao passado.
O cérebro é capaz de recuperar imagens e sensações a partir de um estímulo dos sentidos.
Mas como será que essa relação afeta o desenvolvimento e a aprendizagem das crianças?
Leia abaixo a matéria que separamos para você, boa leitura!
Brincadeiras sensoriais estimulam a inteligência e a criatividade das crianças através dos cinco sentidos.
O estímulo aos sentidos ajuda no desenvolvimento cognitivo, linguístico, social e emocional dos pequenos. Naturalmente, a visão e a audição são os sentidos mais estimulados pelos pais e na escola. Desenvolver e estimular também os outros sentidos é não é uma tarefa difícil. Com um olhar diferente para materiais e objetos do dia-a-dia, é possível criar brincadeiras interessantes que estimulam mais o paladar, o olfato e o tato.
    
Porque a aprendizagem sensorial é tão importante?!
Logo após o nascimento, o cérebro do bebê começa a fabricar conexões entre os neurônios — as chamadas sinapses, que servem para transmitir e armazenar informações. De acordo com estudos, o cérebro de um recém-nascido chega a criar de 2 a 3 milhões de delas por segundo!!! A estimulação pelo tato, a visão, a audição, o olfato e o paladar ativam os justamente neurônios que são os maiores responsáveis pela formação dessas conexões.
É como se cada uma das sinapses fosse um hiperlink que vai associando uma ideia a outra. Quanto mais “emaranhada” for a rede de conexões entre os neurônios, maior a capacidade que a pessoa tem de relacionar diferentes temas e ter pensamentos criativos e inovadores. Por outro lado, as conexões que deixam de ser usadas acabam sendo eliminadas. O quadro abaixo mostra como evoluem as sinapses no cérebro humano:

 Do nascimento até mais ou menos 5 anos, ocorre uma grande proliferação de sinapses. É a chamada “mente absorvente”, que funciona como uma esponja e capta tudo à sua volta. O grande potencial de aprendizagem nesta etapa é justamente a capacidade que o cérebro da criança tem de “absorver” vários estímulos ao mesmo tempo, sem nem se dar conta. Com o desenvolvimento do cérebro e a necessidade de processar informações mais complexas, começa um processo natural de seleção que elimina as sinapses menos utilizadas, fazendo com que o cérebro fique mais eficiente e possa “investir” mais energia em um repertório cada vez mais sofisticado.
Por isso, os estímulos sensoriais apresentados à criança desde cedo são como as ferramentas mentais que ela terá para usar no futuro. Crianças precisam de espaço para se movimentar (sem acessórios com restrições de mobilidade, tais como cercadinhos e andadores); oportunidades de explorar objetos sozinhas com as mãos (sim, os armários de panelas e potes na cozinha são um excelente passa-tempo!) e também chance de se expressar e comunicar. 
Em contrapartida, existem estímulos negativos que podem ter efeitos sérios no desenvolvimento das crianças. Ruído constante, estresse, isolamento social, experiências associadas ao medo — todas representam estímulos negativos que podem até mesmo afetar o crescimento do cérebro. Existem pesquisas que indicam que os bebês que não recebem estímulos positivos e adequados por parte dos pais ou cuidadores podem desenvolver cérebros 20 a 30% menores do que as crianças que tiveram experiências positivas e um ambiente seguro e acolhedor.
Atividades sensoriais com objetos do dia-a-dia
Ao contrário do que parece, as atividades sensoriais são simples de executar até mesmo em casa. Usando objetos corriqueiros é possível criar interesse visual, auditivo, táctil que viram brincadeiras inusitadas e estimulam a criatividade. 
 •  Caixas sensoriais são um bom exemplo disso. São interessantes principalmente pela textura. O objetivo é fazer com que as crianças relaxem enquanto brincam, toquem texturas diferentes e por aí vai. Uma caixa com areia, arroz colorido ou outros grãos é o ponto de partida para a criação de cenários criativos e super divertidos! (Veja abaixo as figuras 2 e 6)
 •  Contêineres cheios de água dão asas à imaginação para espaços de banho, laguinhos ou aquários. Desafie os pequenos a adivinhar quais objetos vão flutuar. Brincar com variações  de temperatura também é ótima ginástica para o cérebro. (Confira nas imagens 1, 3, 5 e 9)
 •  Creme de barbear, gelatina e massinha de modelar proporcionam exercício de familiarização com texturas e desenvolvem a coordenação motora fina e o movimento de pinça do polegar com o indicador. (Exemplos nas figuras 4, 7 e 8)
1 – Balões com água dentro da banheira. Eles flutuam, podem ser apertados e ainda servem como bola. Usar uma gota de corante alimentício diferente dentro da água em cada balão aumenta a diversão e ainda pode ensinar sobre misturas de cores. (Do site www.learning4kids.net)
2 –  Uma caixa com areia pela metade pode servir de fonte de inspiração para várias brincadeiras divertidas. Aqui a proposta é um parque de dinossauros, que se monta em segundos com miniaturas de animais, plantas e pedras. Outras sugestões: escavação arqueológica para encontrar um “tesouro”; caça às letras do alfabeto enterradas na areia… realmente a areia é um material muito versátil! (Mais no site www.botoezinhos.com).
3 – Um mundo gelado emerge de uma bacia de plástico com água e pedaços de gelo que foram congelados em copos ou outras vasilhas com formatos variados. Pequenos animais marinhos completam o visual. (Do site www.learning4kids.net)
4 – Aqui o ingrediente sensorial é a gelatina, preparada em diferentes sabores e desenformadas sobre uma bandeja, para deleite de mãos curiosas! (A idéia vem do blog http://www.motheringwithcreativity.com)
5 – Um pouco de diversão na hora do banho: recorte letras de esponja e coloque na água da banheira. O blog www.learning4kids.net dá o passo-a-passo em fotos.
6 – Arroz colorido e miniaturas formam um pequeno jardim, que com certeza vai render horas divertidas cheias de imaginação. (Também no blog www.botoezinhos.com)
7 e 8 – Um pouco de neve, mesmo no verão? É só usar creme de barbear. E ainda dá para montar uns cenários, como a lagoa de sapos na figura 7. (Veja mais em http://growingajeweledrose.com/)
9 – Gelo também pode ser matéria-prima de barquinhos coloridos. São blocos de gelo feitos com água tingida com corante. Na hora de congelar, ponha junto um palito, para fazer o mastro. (Do site www.learning4kids.net)
As brincadeiras sensoriais, utilizadas em casa, ensinam as crianças a se sentirem mais confortáveis com o mundo que as cerca, e de quebra reforçam o vínculo afetivo entre pais e filhos. Quando a estimulação sensorial acontece em uma atmosfera alegre e relaxada, isso contribui para que a criança desenvolva uma relação positiva com o próprio corpo, o que por sua vez a encoraja a ser mais sociável e interativa. Aqui em casa, já estamos notando os primeiros resultados. Depois eu conto mais sobre as brincadeiras que estamos inventando.
Fonte de inspiração: www.lagartapintada.com
Gostou do artigo? Compartilhe em seu Facebook!

Você já conhece nosso Curso de Extensão sobre Psicomotricidade? Clique Aqui e conheça mais sobre este universo dos movimentos psicomotores. Como desenvolver as habilidades dos nossos pequenos e ainda mais, dicas para identificar, intervir e estimular com atividades práticas!

CONHEÇA PSICOMOTRICIDADE!

Continue lendo

Diferença entre TDAH e problema de aprendizagem

Antes de tudo, a fase de alfabetização pode indicar a existência de determinados fatores que causarão impactos no processo de […]

O USO DE MEDICAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR

 HAZAMA, Mônica Kazuko[1] RESUMO Hoje em dia, devido à obrigatoriedade, existe um grande número de crianças frequentando a escola, contudo […]

Como incluir um aluno com Síndrome de Down em Sala de Aula?

Olá, professor! Incluir um aluno com Síndrome de Down em sala de aula não é uma tarefa impossível. Muito pelo […]