Acessibilidade:

ASPECTOS COMPORTAMENTAIS E SOCIAIS NO TEA

Olá pais e professores,
 
Nos últimos anos, tem havido um aumento significativo na pesquisa científica sobre o autismo em diversas áreas, visando à ampliação do conhecimento, tanto acerca da natureza do transtorno, como de possíveis estratégias de tratamento.
 
Sabemos que o comportamento diz muito sobre a personalidade ou condição de uma criança, e no TEA isso faz todo sentido, tanto para o diagnóstico quanto para seu tratamento.
 
Atualmente esses aspectos são mais visíveis, permitindo diagnósticos mais precoces e programas de intervenção cada vez mais específicos.
 
Como é o comportamento de uma criança com Autismo? E os aspectos sociais desta criança? Se você quer saber mais sobre este assunto, leia a matéria e saiba o quão importante é ficar atento a estes aspectos.
 
Boa leitura 😉
 
 
 
 
ASPECTOS COMPORTAMENTAIS E SOCIAIS NO TEA
 
 
Comportamento pode dizer muito sobre uma criança, especialmente a que tem autismo.
As crianças autistas compartilham muitas das mesmas características de comportamento, tornando-se possível atribuir-lhes o transtorno. 
 
Estes sinais comportamentais parecem em muitas áreas, tais como processamento sensorial, a comunicação, a socialização, as brincadeiras e em ambientes de aprendizagem. 
 
Compreender os sinais de comportamento em cada uma dessas áreas pode ajudar você a entender a síndrome e como ela afeta a criança.
 
 
Processamento sensorial

 
Um traço evidente de muitas pessoas do espectro do autismo é a dificuldade com o processamento sensorial. Quase todo mundo pode se relacionar a sentir fisicamente desconfortáveis ​​devido a estímulos sensoriais. Ruídos altos, luzes de distração e materiais de coceira pode ser muito incômodo para qualquer pessoa, mas que pode ser doloroso para uma criança com problema sensorial.

 
Alguns sinais de problemas sensoriais podem incluir:
 
 
Movimentos repetitivos
 
      · Agitar as mãos;

      · Avistamento (movendo-se com os olhos fixos em um objeto ou olhar as coisas      muito de perto);

      · Lamber objetos;

      · Balançar para frente e para trás;

      · Bater os objetos.
 
 
 
  Reações

· Reação aparentemente extrema a benigna entrada sensorial;
· A falta de resposta a estímulos sensoriais aparentemente significativa.
 
 
  Consciência Corporal
 
· Não responder adequadamente à dor;

· Sentar-se em etapas, movendo-se um de cada vez, em vez de pisar;

· Não passar de uma superfície para outra, como passar do concreto para grama

· Buscando informações sensoriais;

· Buraqueira em almofadas;

· Saltando;

· Subir nos móveis.
 
 Devido ao comportamento déficits de comunicação
 
A comunicação é um problema para as crianças no espectro e isso inclui mais do que ser um “falador tarde. ” Crianças no espectro não podem se envolver em comunicação natural que é aparente em crianças típicas.
 
 
Sinais a procurar em ambientes sociais
 
Cegueira social é um problema significativo para as pessoas do espectro do autismo. Enquanto as crianças com Asperger são capazes de usar a linguagem para a comunicação básica, elas têm dificuldade em processar os sinais sociais, tanto verbal e não-verbal.
 
Crianças no espectro poderão:
 
    · Fazer expressões faciais inadequadas

    · Não compreender humor;

    · Ter respostas inadequadas aos comentários de outras pessoas e ações;

    · Evitar contato com os olhos;

    · Não parecer notar os outros;

    · Evitar brincar com os colegas;

    · Obsessivamente falar sobre um único tópico de interesse;

    · Deixar de reconhecer estados emocionais de outras pessoas;

    · Não reconhecer sentimentos por trás de expressões faciais;

    · Ser honestas chocantemente.
 
A incapacidade de reconhecer os sinais sociais, linguagem corporal e as expressões faciais podem interferir significativamente na capacidade de uma pessoa para funcionar no campo social.
 
 
Como crianças autistas brincam
 
 
Quando têm liberdade para escolher, as crianças com autismo escolhem jogos e brincadeiras que envolvem os seus sentidos e evitam jogos que lhes pedem para representar, aponta um novo estudo.
 
· Brincar com partes de brinquedos, em vez do brinquedo inteiro;

· Alinhar objetos pelo chão;

· Ficarem agitadas quando os padrões são interrompidos;

· Não usar brinquedos como eles foram concebidos;

· Não se envolver em brincadeira (“alimentar” uma boneca, falando em um telefone de brinquedo).

 
Intervenção precoce


Após uma identificação precoce, a intervenção precoce no autismo é fundamental para que as manifestações primárias da patologia não se agravem, dificultando a intervenção numa fase posterior e para amenizar o prejuízo no desenvolvimento da criança.

Continue lendo

AGUÇANDO A CURIOSIDADE DA CRIANÇADA.

Olá pessoal, tudo bem?   Para estimular a aprendizagem das crianças precisamos aguçar a ‘’curiosidade’’ delas. Há o mito que […]

Como trabalhar a rotina para aluno com autismo?

O dia a dia em sala de aula pede a criação de estratégias que estimulem o aluno com autismo por […]

Quais as dificuldades do aluno com Síndrome de Down?

Olá, professor! A Síndrome de Down é uma condição rara, que traz algumas mudanças físicas e neurológicas. Pode ser que […]