Acessibilidade:

OS PROFISSIONAIS LIBERAIS E O EMPREENDEDORISMO: COMO FERRAMENTAS DE GESTÃO PODEM AJUDAR NA CARREIRA PROFISSIONAL.

Profº. Luiz Fernando Anselmo
 
Nos dias atuais, o conhecimento em Empreendedorismo é indispensável para qualquer atividade profissional. Com a concorrência cada vez mais acirrada em todas as profissões, torna-se necessário o conhecimento e a informação sobre como diferenciar-se.
Apesar disso, muitos cursos técnicos e/ou superiores não apresentam em sua grade curricular a disciplina de Empreendedorismo ou tema correlato. Quando profissionais liberais (médicos, dentistas, advogados, psicólogos, fisioterapeutas, engenheiros, arquitetos, nutricionistas, entre outros) iniciam sua atividade profissional, encontram dificuldades por que não detêm os conhecimentos que são relacionados a atividade empreendedora.
Seja qual for a profissão exercida pelo profissional, o conhecimento na área administrativa traz uma visão “de negócio” para a atividade, adquirindo novas competências e, portanto, diferenciando-o no mercado de trabalho.
De acordo com o Dicionário Aurélio serviço é “a atividade econômica de que não resulta produto tangível (p.ex.: transporte urbano; atividades de médicos, advogados, professores; administração pública) em contraste com a produção de mercadorias”.
A definição de profissional liberal mais aceita é apresentada pela Confederação Nacional das Profissões Liberais (CNPL), que em seu Artigo 1º destaca que “é aquele legalmente habilitado à prestação de serviços de natureza técnico-científica de cunho profissional com a liberdade de execução que lhe é assegurada pelos princípios normativos de sua profissão, independentemente de vínculo da prestação de serviço”.
As profissões regulamentadas que a CNPL representa hoje são: administradores, advogados, auditores, arquitetos, assistentes sociais, atuários, bibliotecários, biomédicos, biólogos, contabilistas, corretores de imóveis, economistas, enfermeiros, engenheiros, estatísticos, farmacêuticos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, geógrafos, museólogos, fonoaudiólogos, geólogos, médicos, médicos veterinários, nutricionistas, odontologistas, psicólogos, químicos, relações públicas, sociólogos, técnicos agrícolas, técnicos industriais, técnicos em turismo, tradutores e intérpretes e zootecnistas. Todas essas profissões exigem diploma de nível universitário ou técnico (nível médio).
Porém não são todas as atividades profissionais que apresentam em seus cursos técnicos ou superiores os conhecimentos específicos em gestão e empreendedorismo.
Quando estes profissionais entram no mercado de trabalho para exercer a profissão escolhida, encontram dificuldades, pois falta conhecimento sobre como gerir sua atividade profissional de forma empreendedora.
Existem muitas definições para o empreendedorismo. Uma das mais aceitas foi apresentada por Hisrich (2009) “empreendedorismo é o processo de criar algo diferente e com valor, dedicando tempo e o esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes e recebendo as consequentes recompensas da satisfação econômica e pessoal”.
Criar algo diferente e com valor significa que muitas vezes será necessário que o profissional liberal fuja do convencional, principalmente quando sua profissão é muito técnica. Por exemplo, um dentista deve, obrigatoriamente, saber oferecer uma solução para o cliente, e não apenas fazer a parte técnica.
Dedicar tempo e o esforço necessários decorre da necessidade de que muitas vezes o profissional liberal precisa estar à frente de seu negócio, sendo aquele que abre pela manhã e que fecha a tarde seu escritório ou qualquer outro tipo de estabelecimento, permanecendo em tempo integral dedicado a ele. O profissional liberal que deseja ser um empreendedor deve dar o exemplo.
Assumir riscos faz parte do empreendedorismo, principalmente quando se inicia uma nova atividade. Risco financeiro se dá pelo fato de que muitos profissionais liberais têm sua atividade de forma autônoma, sem um empregador que lhe garanta um salário. Risco psicológico por que ele pode ter dúvidas quanto a empreender na sua atividade, porém é necessário ter força mental para prosperar. E risco social, pois ele interfere na sociedade com a sua atividade.
Portanto, acredito ser fundamental o conhecimento em empreendedorismo e em gestão de empresas para profissionais liberais. Quanto mais conhecimento nessas áreas, maior será possibilidade de sucesso na sua profissão.
REFERÊNCIAS
BIZZOTTO, Carlos Eduardo Negrão. Plano de negócios para empreendimentos inovadores. São Paulo: Atlas, 2008.
CORRÊA, Henrique L. Gestão de serviços: lucratividade por meio de operações e satisfação dos clientes. São Paulo: Atlas, 2012.
DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em ne-gócios. Rio de Janeiro: Elsevier,2012.
FALCONI, Vicente. O verdadeiro poder. Nova Lima: INDG, 2009.
HISRICH, Robert D. Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman, 2009.
http://www.cnpl.org.br/novoportal/index.php/a-cnpl acessado em 12/05/2014.
http://www.fenaci.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=79&Ite-mid=70 acessado em 12/05/2014.
http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/Conhe%C3%A7a-o-perfil-ne-cess%C3%A1rio-ao-empreendedor acessado em 26/05/2014.

 

MELLO, C. H., COSTA NETO, P. L., TURRIONI, J.B., SILVA, C.E.S. Gestão do pro-cesso de desenvolvimento de serviços. São Paulo: Atlas, 2010.

Continue lendo

Qual Pós-Graduação fazer para trabalhar com autismo?

Para proporcionar um ambiente de inclusão e apoio para crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista), é preciso que os […]

Como a Neuropsicomotricidade ajuda no desenvolvimento infantil? 

A infância é uma fase importantíssima no desenvolvimento humano. Muitos fatores podem influenciar e contribuir para o crescimento saudável das […]

05 vídeos que você precisa assistir sobre TOD!

TOD é o Transtorno Opositivo Desafiador. Neste post, indicamos os 05 vídeos que você precisa assistir sobre TOD! O Transtorno […]